1

Quando Cessou o Dom de Línguas?

Ninguém foi mais “carismático” do que o Apóstolo Paulo. Ele escreveu à igreja de Corinto dizendo-lhes que “nenhum dom vos falte” no que dizia respeito aos dons do Espírito Santo (I Co.1:7) – nenhuma igreja tinha mais dons do Espírito Santo do que a igreja de Corinto, no entanto Paulo diz que ele falava línguas mais do que todos eles (I Co.14.18)!

Ninguém era mais carismático do que Paulo, no entanto o Senhor revelou-lhe que aqueles dons de sinais iriam cessar: “…havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá” (I Cor. 13:8). Paulo escreve nesta epístola sobre o dom de línguas, o dom de profecia, e o dom de conhecimento (ver I Co.13:1-2) e declara que o Senhor Jesus lhe tinha revelado (I Co.1:23, 15:3; Gl.1:11-12) que chegaria o tempo em que estes dons de sinais deixariam de operar.

A questão tem sido sempre: Quando? Quando cessariam estes dons? Este estudo centra-se nessa questão – quando cessaram os dons de sinais?

Ordenando as cartas de Paulo pela ordem em que foram escritas começamos por estabelecer uma linha de tempo do ministério de Paulo. Paulo foi salvo em Atos 9 quando o Senhor lhe apareceu no caminho de Damasco. Paulo ainda escreveria 13 cartas no Novo Testamento – da carta aos Romanos à carta para Filemon.

Quando nos lembramos que Paulo é tema de pelo menos metade do Livro de Atos, tomamos consciência de que metade dos 27 livros do Novo Testamento é sobre ele (O Livro de Atos) ou foram escritos por ele (13 cartas). As cartas de Paulo estão ordenadas na Bíblia por dois princípios: As cartas para as igrejas estão colocadas em primeiro lugar – nove cartas de Romanos a II Tessalonicenses, depois as quatro cartas escritas a indivíduos – de I Timóteo a Filemon. As cartas estão também ordenadas pelo tamanho – Romanos é a maior e é a primeira, depois as cartas aos Coríntios, depois Gálatas, etc. As cartas maiores surgem primeiro, as menores depois.

Mas para se compreender quando cessaram os dons de sinais, precisamos ler as cartas de Paulo na ordem em que ele as escreveu. Quando as ordenamos na sequência em que ele as escreveu, tudo se torna claro! As cartas de Paulo na ordem em que foram escritas:

  • As primeiras 6 cartas de Paulo encaixam-se no Livro de Atos – podemos ler Atos e a seguir ler as cartas de Paulo, e podemos observar onde Paulo estava quando escreveu aquelas cartas. A carta aos Gálatas é a primeira Em Atos 13:14 Paulo e Barnabé saíram para a sua primeira viagem apostólica que os levou à Galácia – cidades como Antioquia, Listra, Derbe, etc. Pouco depois de Paulo voltar desta viagem ele escreveu a carta aos Gálatas (ver Gálatas 1:6 onde Paulo escreve aos gálatas e diz: “tão depressa passásseis”). Gálatas foi escrita pouco depois de Paulo ter voltado daquela primeira viagem – pouco depois de Atos 14:27. Isto faz da carta aos Gálatas a primeira das cartas de Paulo.
  • I e II Tessalonicenses as cartas seguintes que Paulo escreveu são as duas cartas aos Tessalonicenses. Em Atos 17, Paulo, na sua segunda viagem apostólica, veio a Tessalônica e pregou ali. Muitos foram salvos, mas Paulo foi expulso da cidade e prosseguiu para Corinto onde ele escreveu as duas cartas aos Tessalonicenses. O retorno de Timóteo da Macedônia, mencionado em Atos 18:5, é também relatado em I Tessalonicenses 3:6. E em II Tessalonicenses 2:5 Paulo lembra aos tessalonicenses o seu ensino, como se não tivesse passado muito tempo desde que tinha estado com eles. Assim a escrita de I e II Tessalonicenses pode ser colocada em Atos 18 durante o ministério de Paulo em Corinto, e isso as torna na segunda e terceira carta que Paulo escreveu.
  • I e II Coríntios As duas cartas seguintes que Paulo escreveu são as duas cartas aos coríntios. Em Atos 18 Paulo passou um ano e meio ministrando em Corinto – veja Atos 18:11. Mais tarde ele voltou à sua casa base em Antioquía (Atos 18:22) e, posteriormente, na sua terceira viagem apostólica ele chegou a Éfeso (o seu ministério em Éfeso estende-se em todo o decorrer de Atos 19 – um período de mais de dois anos. Veja o versículo 10). É aqui em Éfeso, durante Atos 19, que Paulo escreveu I Coríntios – veja I Coríntios 16:19. Pouco depois Paulo viajou para a Macedônia (veja Atos 20:1 e II Co.2:13) e foi ali que ele escreveu a segunda carta aos coríntios.
  • Em Atos 20:2-3 Paulo chegou à “Grécia”, ou seja, novamente a Corinto, e passou ali três meses desfrutando da hospitalidade de um crente chamado Gaio (mencionado em I Co.1:14). Na casa de Gaio, em Corinto, Paulo escreveu a carta aos romanos (veja Rm.16:23). Esta é a última carta escrita durante o Livro de Atos. Em Atos 21:33 Paulo foi preso em Jerusalém, e passaria os 5 anos seguintes na prisão, exatamente até ao fim do Livro de Atos.

Portanto, resumindo o que vimos até aqui, de Atos 9 a Atos 28 lemos sobre o ministério inicial do Apóstolo Paulo e descobrimos que durante aqueles anos ele escreveu 6 das suas 13 cartas. A ordem destes primeiros seis livros é a seguinte:

1. Gálatas – fim de Atos 14

2. I Tessalonicenses – Atos 18

3. II Tessalonicenses – Atos 18

4. I Coríntios – Atos 19

5. II Coríntios – Atos 20

6. Romanos – Atos 20

Em Atos 21 Paulo foi preso e permaneceu prisioneiro até Atos 28, e ainda por vários anos depois. As Epístolas de Prisão — Efésios, Colossenses, Filemon e Filipenses Pouco depois do fim do Livro de Atos, quando ele ainda era prisioneiro, agora em Roma, Paulo escreveu quatro cartas – as “epístolas de prisão”: Efésios, Colossenses, Filemon, e Filipenses. Em cada uma destas cartas ele escreveu sobre as suas “cadeias” – veja Efésios 6:20; Colossenses 4:18; Filemon 13 e Filipenses 1:13. As Epístolas Pastorais — As Cartas a Tito, Primeira e Segunda a Timóteo Paulo foi libertado deste encarceramento e prosseguiu o seu ministério por alguns anos, talvez 3 anos.

Durante este tempo ele escreveu as três cartas conhecidas como as “Epístolas Pastorais”, porque estas cartas foram escritas aos cooperadores de Paulo –Timóteo e Tito.

Finalmente no fim da sua vida ele é preso de novo. Desta vez ele aguarda a sua decapitação para o Senhor e escreve a última carta, Segundo Timóteo.

Resumo: Examinamos as 13 cartas escritas pelo Apóstolo Paulo, ordenando-as pela ordem que Paulo as escreveu: Durante o Livro de Atos – 6 cartas:

1. Gálatas

2. & 3. Cartas aos Tessalonicenses

4. & 5. Cartas aos Coríntios

6. Romanos A seguir, depois que o Livro de Atos termina – mais 7 cartas: As 4 Epístolas de Prisão:

7. Efésios

8. Colossenses

9. Filemon

10. Filipenses

Depois vem as 3 Epístolas pastorais:

11. Tito

12. I Timóteo

13. II Timóteo

Agora leiamos as cartas na ordem em que Paulo as escreveu Tendo examinado as 13 cartas e tendo-as colocado na sua ordem cronológica, vejamos o que elas nos dizem sobre a questão: quando cessaram os dons de sinais?

Nas seis primeiras cartas, todas escritas durante o período coberto pelo Livro de Atos, descobrimos que os dons de sinais estavam em operação, ou em funcionamento, em todas estas igrejas.

Ao longo de todo o Livro de Atos lemos sobre as línguas, o dom de profecia, o dom de curar, etc. – por exemplo, línguas e profecia em Atos 19:6, o dom de profecia em Atos 21:1-14, o dom de curar em Atos 19:11-12 e 28:8-9, etc. E nas “Epístolas de Atos” lemos sobre os dons estando em operação nas igrejas que Paulo fundou.

Em Gálatas 3:5; I Tessalonicenses 5:20; I Coríntios 12,13,14; I Coríntios 12:12; Romanos 12:6 – em todas estas cartas lemos sobre os dons em operação através do Livro de Atos e até ao seu fim.

Mas, durante este período no Livro de Atos, o Senhor revelou a Paulo que os dons de sinais iriam cessar – I Coríntios 13:8-12. Os dons de sinais estavam todos em operação ao longo de todo o período do Livro de Atos e são mencionados nas cartas escritas durante esse período, mas o Senhor tinha revelado que os dons de sinais iriam cessar em algum momento no futuro.

Quando cessou o dom de línguas?

Agora voltemo-nos para as epístolas de prisão, as quatro cartas escritas pouco tempo depois do fim do período do Livro de Atos, quando Paulo estava preso em Roma – Efésios, Colossenses, Filemon e Filipenses… e descubramos que não há uma única palavra sobre línguas, ou o dom de curar. Mesmo onde poderíamos esperar que Paulo escrevesse sobre línguas na passagem sobre o “enchei-vos do Espírito” de Efésios 5:17, ele nada tem a dizer sobre línguas. E quanto ao dom de curar, lemos sobre um cooperador de Paulo, Epafrodito, que adoeceu gravemente durante este período (Fp.2:25-30) e Paulo já não tinha o dom de curar, e não pôde mais curar como tinha feito apenas alguns anos antes em Atos 28:9. Os dons de sinais não estavam mais operando no período em que Paulo escreveu as Epístolas de Prisão.

Línguas nas Epístolas Pastorais?

Nas 3 Epístolas Pastorais, como nas epístolas de prisão, não lemos sobre línguas ou sobre o dom de curar operando nesta época. Nós lemos sobre as profecias que foram feitas sobre Timóteo em I Timóteo 1:18 e 4:14 e II Timóteo 1:6, mas que aconteceram anos antes.

Pelo que lemos nestas três cartas, nunca sequer saberíamos que tinha havido um “dom de línguas.” E, uma vez mais, nos lugares onde poderíamos esperar que Paulo mencionasse os dons de sinais, ele está silencioso.

Quando Paulo dá a Timóteo e Tito instruções a respeito da escolha de homens para serem anciãos nas igrejas, Paulo nada diz sobre a conveniência destes homens terem um dom como o da profecia, ou o dom de curar, ou outros dons de sinais (veja Tito 1:6-9 e I Tm.3:1-10).

Os dons de línguas, profecia, etc., não estavam mais em operação na época em que Paulo escreveu as epístolas pastorais. É evidente que o dom de curar cessou porque, como diz a carta aos Filipenses, Paulo não podia mais curar, nem mesmo os seus cooperadores.

Timóteo sofria de problemas no estômago e tinha freqüentes enfermidades (I Tm.5:23) e Paulo não pôde curá-lo, nem recomendou que ele fosse a um curandeiro na igreja, nem lhe enviou uma peça de roupa banhada em oração, nem um frasco de óleo para ungir (lembremo-nos dos milagres que tinham ocorrido uns 8 anos antes em Atos 19:11-12). De modo semelhante em II Tm.4:20, Paulo teve de deixar para trás o seu cooperador Trófimo que adoecera na última viagem.

O dom de curar de Paulo (Atos 28:9) não estava mais em operação em Filipenses 2:27; I Timóteo 5:23 e II Timóteo 4:20. Sumário Os dons de sinais, línguas, profecia, o dom de curar, etc., estiveram em operação ao longo do Livro de Atos, e estes dons são mencionados nas cartas que Paulo escreveu durante o período de Atos.

Mas quando nos voltamos para as cartas escritas depois do Livro de Atos – as 4 Epístolas de Prisão, e as 3 Epístolas Pastorais, descobrimos que os dons de sinais não são mencionados ou vemos – como acontece com o dom de curar – que eles não estavam mais em operação na vida de Paulo.

O que ele pôde fazer em Atos 28, não pôde mais fazer em Filipenses, ou em I e II Timóteo. Ele pôde curar todos os doentes na ilha em Atos 28:9, mas não pôde curar nenhum dos seus cooperadores mais próximos – Timóteo, Epafrodito, Trófimo – após o fim do Livro de Atos.

Ordenando as cartas de Paulo na seqüência em que ele as escreveu permite-nos ver o padrão de verdade que se encontra na Palavra de Deus: Os dons de sinais estiveram em operação em Atos e em todas as Epístolas de Atos: Gálatas, I e II Tessalonicenses, I e II Coríntios e Romanos. Mas neste período de tempo, em I Coríntios 13:8-12, Paulo nos diz que o Senhor lhe tinha revelado que estes dons cessariam um dia.

E eles cessaram, porque nas cartas escritas depois do Livro de Atos, os dons de sinais cessaram, exatamente como o Senhor disse que aconteceria. O padrão não podia ser mais claro, e o contraste não podia ser mais bem definido entre as primeiras cartas e as últimas cartas, entre o tempo em que todos os dons de sinais estavam em operação, e o tempo em que todos os dons de sinais cessaram.

Nós agora podemos apresentar uma resposta bíblica para a questão com que começamos: quando cessaram os dons de sinais? A resposta: Os dons de sinais cessaram no fim do Livro de Atos. não há registro algum nas Escrituras de qualquer um dos dons de sinais estar em operação nas cartas que Paulo escreveu depois do fim do período de Atos, e é claro que o dom de curar cessou uma vez que Paulo não pôde mais curar até mesmo os seus cooperadores mais próximos depois do fim do período do Livro de Atos.

Porque cessaram os dons de sinais?

Tendo visto o padrão de verdade a respeito dos dons, precisamos perguntar: porque os dons cessaram nesta época? Paulo escreveu em I Coríntios 13:8-12 – “A caridade nunca falha: mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos; Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado. Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino. Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face: agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.

” O dom de línguas, profecia e conhecimento durante o período de Atos existiam somente “em parte” – eles eram incompletos, não comunicavam o conhecimento pleno que o Senhor tinha para revelar. Porém o Senhor revelou a Paulo que “o que é perfeito” viria. No grego, este pronome é neutro – “o que é perfeito.” Paulo não estava escrevendo sobre a vinda de “Aquele que é perfeito” mas da vinda de uma “coisa” que é perfeita.

Quando ela viesse, então os dons que existiam apenas “em parte” cessariam. Seria como a diferença entre ser criança e tornar-se adulto, ou entre ver a face de alguém refletida num antigo espelho ondulado e ver a pessoa face a face.

Antes do fim do Livro de Atos, durante o período de Atos, e nas cartas escritas durante o período de Atos, o Senhor tinha revelado ao Apóstolo Paulo apenas parte da “dispensação da graça” (Ef.3:2), mas ainda não lhe tinha revelado a mensagem na sua totalidade.

Durante o período de Atos ela era ainda apenas “em parte”, mas com o encerramento do livro de Atos, o Senhor completou a revelação do “Mistério” (veja Ef.3:3-4,9 e Cl.1:26-27, etc.). “O [aquilo] que é perfeito” foi finalmente revelado em toda a sua plenitude ao Apóstolo Paulo e naquele momento, as coisas que eram apenas “em parte” desapareceram do programa de Deus.

Paulo escreveu em I Coríntios 13:12 – “…agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.” Quando Paulo escreveu “agora conheço em parte,” ele usou a palavra comum para “conhecer”, a palavra grega gnosis. Mas depois, quando ele escreveu “mas então conhecerei…” ele muda a palavra de gnosis para epignosis, “conhecer plenamente.

” Podemos explicar de outro modo a declaração de Paulo: “Agora, enquanto estou escrevendo I Coríntios em Atos 19, tenho gnosis – conheço em parte, qual é a mensagem de Deus para nós hoje na dispensação da graça, mas depois – quando vier aquilo que é perfeito, terei – epignosis – o pleno conhecimento da mensagem da graça de Deus para nós, hoje.”

Ao longo de todo o Livro de Atos Paulo teve somente “gnosis,” conhecimento parcial da mensagem da graça, mas quando nos voltamos para as Cartas de Prisão encontramos subitamente Paulo usando a palavra “epignosis” – ele agora tinha recebido o “conhecimento pleno” que não tinha quando escreveu aos coríntios:

“Porque quero que saibais quão grande combate tenho por vós, e pelos que estão em Laodicéia, e por quantos não viram o meu rosto em carne;

“Para que os seus corações sejam consolados, e estejam unidos em caridade, e enriquecidos da plenitude da inteligência, para conhecimento (epignosis – conhecimento pleno) do mistério de Deus–Cristo ” (Cl.2:1-2).

“Por esta razão, nós também, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós, e de pedir que sejais cheios do conhecimento (epignosis – conhecimento pleno) da Sua vontade, em toda a sabedoria e inteligência espiritual;

“Para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-Lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus;

“Corroborados em toda a fortaleza, segundo a força da Sua glória, em toda a paciência, e longanimidade com gozo;

“Dando graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz” (Cl.1:9-12).

Em todas as sete cartas escritas depois do fim do período do Livro de Atos, Paulo usa esta palavra “epignosis” — o conhecimento pleno. O que ele ainda não tinha recebido em I Coríntios 13, ele tem agora.

Aquilo que é perfeito veio e, portanto, os dons de sinais tinham acabado. Os “dons de sinais” eram sinais para “o povo de Deus dos sinais” O encerramento do Livro de Atos foi também o encerramento do relacionamento de Deus com a nação de Israel que durou aproximadamente 2000 anos. Atos 29:25-28 mantém-se como as últimas palavras de Deus à nação de Israel por aproximadamente dois milênios.

Os judeus buscam sinais (I Co.1:22), de modo que Deus deu-lhes sinais – entre os gentios! – a fim de incitar Israel à emulação (Rm.11:14). Mas com o encerramento de Atos, Deus colocou temporariamente de lado Israel, e quando Deus abandonou temporariamente o “povo dos sinais”, os dons de sinais desvaneceram-se do Seu programa.

Eu falo línguas, o que devo fazer?

Muitos cristãos hoje, têm tido uma experiência que eles pensam ser o dom de línguas bíblico. Depois de estudarem as cartas de Paulo e o ensino bíblico a respeito da cessação do dom de línguas, perguntam, “O que devo fazer agora?”

Há várias explicações possíveis para a experiência – pode ser uma experiência psicológica ou até uma experiência espiritual, mas não é, claramente pela Palavra de Deus, o dom de línguas do Espírito. O que eles devem fazer?

Simplesmente: Parar! Deixar de falar em línguas porque não é do Espírito Santo. Para muitos isto é um grande alívio. Eles foram ensinados que uma pessoa tem de falar em línguas para provar que está realmente salva, ou que tem realmente o Espírito Santo habitando interiormente.

Assim “aprenderam” a falar línguas, mas quando vêem pelas Escrituras que este dom não está em operação hoje em dia pelo Senhor, podem pelo menos cessar o seu esforço de provar a sua salvação e começar a andar por fé e não por vista.

Para alguns, as instruções de Paulo aos profetas em Corinto será pertinente: “Mas se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro. “Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros; para que todos aprendam, e todos sejam consolados. “E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas. “Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos” (I Co.14:30-33).

Quando estamos tendo uma experiência que aprendemos pelas Escrituras não ser do Senhor, é tempo de “ficar em silêncio,” e lembrar que os nossos espíritos devem estar sob o nosso próprio controle – “os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas.”

O aviso do Senhor

O Senhor avisou que as experiências podem ser enganadoras:

“Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? “E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci: apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade” (Mt.7:22-23).

Sim, eles realmente tinham tido aquelas experiências. Eles tinham profetizado no nome de Jesus, tinham expulsado demônios e feito milagres no Seu nome. O Senhor não nega que eles tenham feito estas coisas. Mas depois lhes diz que mesmo quando estavam fazendo aquelas coisas, Ele nunca os conheceu. É importante que a nossa fé se baseie na Palavra de Deus e não em experiências porque as experiências podem enganar-nos.

Uma observação sobre o dom de curar como temos visto, Paulo pôde curar muitos doentes ao longo de todo o Livro de Atos. Ele curou todos os doentes na Ilha de Malta em Atos 28. E ele escreveu aos coríntios sobre o dom de curar que estava em operação na igreja deles durante o período de Atos (I Co.12:9). Porém vimos também que com o encerramento do Livro de Atos, o dom de curar deixou de funcionar. Paulo não podia curar mais ninguém – nem Epafrodito em Filipenses 2, nem Timóteo em I Timóteo 5:23, nem Trófimo em II Timóteo 4:20.

O dom de curar tinha deixado de operar, juntamente com os outros dons de sinais. Hoje, Deus não dá mais o dom de curar, e não há “curandeiros.” Porém nós não deveríamos pensar que Deus não cura mais!

Em Filipenses 2 lemos de uma cura que Deus operou depois do dom de curar ter deixado de funcionar: “Julguei, contudo, necessário mandar-vos Epafrodito, meu irmão, e cooperador, e companheiro nos combates, e vosso enviado para prover às minhas necessidades. “Porquanto tinha muitas saudades de vós todos, e estava muito angustiado de que tivésseis ouvido que ele estivera doente. “E de fato esteve doente, e quase à morte, mas Deus se apiedou dele, e não somente dele, mas também de mim, para que eu não tivesse tristeza sobre tristeza. “Por isso vo-lo enviei mais depressa, para que, vendo-o outra vez, vos regozijeis, e eu tenha menos tristeza. “Recebei-o pois no Senhor com todo o gozo, e tende-o em honra. “Porque pela obra de Cristo chegou até bem próximo da morte, não fazendo caso da vida para suprir para comigo a falta do vosso serviço” (Fp.2:25-30).

Paulo elogia muito Epafrodito pela sua fidelidade até à morte. Mas quando Epafrodito adoeceu – quase mortalmente – Paulo não pôde curá-lo porque o dom de curar tinha deixado de operar. Porém lemos que Epafrodito foi curado – diretamente pelo Senhor: “…de fato esteve doente, e quase à morte, mas Deus se apiedou dele…” Hoje, há curas, mas não há nenhum dom de curar, não há “curandeiros divinos”. Hoje não há nenhum dom de curar mas Deus ainda cura… às vezes. Ele curou Epafrodito, mas não curou Paulo em II Coríntios 12:8-9 ou em Gálatas 4:13-15, nem Timóteo em I Timóteo 5:23, nem Trófimo em II Timóteo 4:20.

Hoje, Ele cura de acordo com a Sua vontade. Porém a promessa que Ele fez a Paulo ainda é a nossa promessa hoje na dispensação da graça: “A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” (II Co.2:9).

Quer estejamos bem ou enfermos, quer estejamos como Epafrodito ou como Timóteo, podemos reivindicar sempre esta promessa do Senhor de que a Sua graça e poder são suficientes para nós. Ele nunca permite que soframos algo sem nos dar poder para sobreviver.

Corrigido e adaptado pelo pastor Moises Damazio

Comment(1)

  1. Responder
    Sallys says:

    Por que não são todas as igrejas batista que prega sobre isso ?

Postar um comentário